Atendimento a pacientes e familiares 24h:
0800 400 4550
Redes Sociais

Blog

Notícias

ATENÇÃO DOMICILIAR PARA CRIANÇAS, SIM SENHOR!

Atenção domiciliar é bom para todos: bebês, crianças, adultos e idosos. Quem confirma isso é o Diretor Médico da Assiste Vida, e também Diretor Regional do Núcleo Nacional de Empresas de Atenção Domiciliar – NEAD, Dr. Leonardo Salgado. Ao contrário do que muitos pensam, os benefícios da Atenção Domiciliar estão disponíveis para pessoas de todas as idades, basta avaliação e indicação médica de quadros clínicos específicos. Confira a matéria a seguir:
Existe uma compreensão em geral de que o serviço de Atenção Domiciliar é direcionado apenas para idosos. Isso procede?
L.S.: Sim, esta compreensão, apesar de errônea existe. Acredito que por ter se iniciado a Atenção Domiciliar no Brasil, focando pacientes crônicos, na grande maioria idosos, ficou a impressão geral de que se trata de um serviço direcionado para esta faixa etária. Bem, isso tanto não é verdade, como eu diria que um público que tem enormes vantagens na internação domiciliar é o público pediátrico. Hoje na Assiste Vida 12% das internações domiciliares já são de crianças, e elas, tanto quanto os adultos preferem e se beneficiam deste modelo de assistência.
Quais os principais motivos de internação domiciliar para crianças?
L.S.: Na pediatria, temos basicamente dois grupos de pacientes; crônicos e agudos. No grupo de pacientes crônicos, o motivo da internação domiciliar é a necessidade de um suporte à vida através de equipamentos e sondas, devido à má formação congênita ou sequelas neurológicas por complicações no parto. No grupo de pacientes agudos, prevalecem às doenças infecciosas como pneumonias e glomerulonefrite (infecções renais) nos quais a terapêutica é curativa e logo eles têm alta.
Uma empresa de Atenção Domiciliar precisa ter alguma característica específica para atender a pediatria? E a partir de que idade é possível o acesso ao serviço?
L.S.: Sim. A criança não é um adulto pequeno. É necessária uma equipe muito bem treinada e com uma comunicação adequada para entrar no universo desta criança e poder ajudá-la no processo da doença. Entendo que não só as médicas pediatras têm de ser especializadas mas principalmente, toda a equipe multidisciplinar. Não há uma idade limite para ter acesso ao serviço, mas sim alguns parâmetros de segurança, como por exemplo peso acima de 5Kg.